quinta-feira, setembro 06, 2007

Una furtiva Lagrima - Pavarotti

Tributo.

2 comentários:

Storm disse...

Deixa ficar a flor,
a morte na gaveta,
o tempo no degrau.
Conheces o degrau:
o sétimo degrau
depois do patamar;
o que range ao passares;
o que foi esconderijo
do maço de cigarros
fumado às escondidas...
Deixa ficar a flor.
E nem murmures.Deixa
o tempo no degrau,
a morte na gaveta.
Conheces a gaveta:
a primeira da esquerda,
que se mantém fechada.
Quem atirou a chave
pela janela fora?
Na batalha do ódio,
destruam-se,fechados,
sem tréguas,os retratos!
Deixa ficar a flor.
A flor? Não a conheces.
Bem sei.Nem eu.Ninguém.
Deixa ficar a flor.
Não digas nada.Ouve.
Não ouves o degrau?
Quem sobe agora a escada?
Como vem devagar!
Tão devagar que sobe...
Não digas nada.Ouve:
é com certeza alguém,
alguém que traz a chave.
Deixa ficar a flor.
(David Mourão-Ferreira, As últimas vontades)


Apenas deixa ficar a tua música Pavarotti.

Museu da Chapelaria disse...

Caríssimo(a) Storm,

Obrigada pelo extraordinário texto e pela "flor" que de quando em quando aqui nos deixa.
Volte sempre.