quinta-feira, julho 02, 2015

Jovem artesã cria chapéus




Raquel Santos é uma jovem artesã que tem vindo a dedicar algum do seu tempo à produção de chapéus em papel.
Adquiriu o gosto pela moda ainda em criança quando fazia as roupas para as suas bonecas. Atualmente, e depois de se especializar em design de produto, Raquel Santos tem procurado aperfeiçoar a técnica do artesanato em vime através da qual desenvolveu já uma grande coleção de acessórios de moda.
Os seus produtos são resistentes à chuva e as cores são baseadas na natureza, predominando os verdes, os azuis e os castanhos.
Reciclagem e natureza são então palavras de ordem no conceito de trabalho de Raquel Santos.
Os chapéus surgiram mais recentemente na sua coleção com modelos tanto femininos como masculinos, seguindo os mesmos princípios fundamentais da reciclagem de materiais.

Sobre a designer
Raquel Santos é natural e residente em Oliveira de Azeméis, na freguesia de Ul.
Em 2009, licenciou-se em Educação Básica, pela Universidade de Aveiro e, em 2013, concluiu um CET em Técnica de Design de Produto. Desde então tem vindo a aprofundar técnicas de arte e artesanato em formações e workshops.
Neste momento, e com o intuito dar um novo rumo e inovar o seu negócio, frequenta um curso de empreendedorismo, no IEFP.
Ambiciona ter o seu próprio atelier e trabalhar a tempo inteiro no que a faz sentir realizada. Deseja ser uma paper designer, e ficar conhecida como “Uma designer moderna e diferente.”

Para mais informações e visualizar os produtos aceda ao link.

domingo, junho 28, 2015

PROGRAMA FAMILIAS | 4 JULHO

No primeiro sábado de cada mês, reúna toda a sua família e venha ao Museu da Chapelaria descobrir segredos, desvendar mistérios e divertir-se com as diversas atividades que temos para si. Traga os seus filhos, pais, avós e amigos e passe um sábado “de se lhe tirar o chapéu” no Museu da Chapelaria.

04 de julho | NEW LOOK
Partindo da exposição temporária, a família irá escolher um chapéu e, com base nas características deste, imaginar e conceber um portfólio de roupas e acessórios
Esta atividade decorre em dois horários diferentes: 11h00 e 15h00.

Atelier para crianças entre os 5 e os 14 anos.
Atividade gratuita, mediante marcação prévia

sexta-feira, junho 26, 2015

"No chapeleiro", de Karl Valentin

 
 


No dia 17 de março de 2015, o Museu da Chapelaria recebeu a visita do 11º ano do curso profissional de marketing, do Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul.
Como um museu conta muitas histórias, esta simpática turma presenteou-nos com a leitura de um excerto do texto "No chapeleiro", de Karl Valentin. 
Esta é a história de um senhor que se dirige a uma loja de chapéus e que de lá sai sem comprar nada! Isto tudo porque para a rececionista desta loja, o original é... andar sem chapéu!!!

"No chapeleiro", de Karl Valentin


Empregada – Bom dia. Faz favor, o que deseja?
Valentim – Era um chapéu.
Empregada – E que chapéu?
Valentim – Um chapéu para ter na cabeça.
Empregada – Com certeza, um chapéu não era para ter calçado, é sempre para ter na cabeça.
Valentim – Sempre, alto. Na igreja, por exemplo, não o posso ter na cabeça.
Empregada – Na igreja não. Mas também não está sempre na igreja.
Valentim – Pois não, só uma calha quando vez.
Empregada – Quer dizer, só uma vez quando calha.
Valentim – Pois, o que eu queria era um chapéu de pôr e tirar.
Empregada - Os chapéus são todos de pôr e tirar. Quer um chapéu redondo ou em bico?
Valentim – Quero um cinzento.
Empregada – Eu pergunto de que formato.
Valentim – Um formato de cor apagada.
Empregada – Discreto, quer o senhor dizer. Temos chapéus muito chiques e de todas as cores.
Valentim – De todas as cores? Então quero amarelo claro.
Empregada – Amarelo claro só há no Carnaval. Com certeza não quer andar com um chapéu amarelo claro.
Valentim – Não é para andar, é para pôr na cabeça.
Empregada – Com um amarelo claro toda a gente se vai rir.
Valentim – Mas os chapéus de palha são amarelo claro …
Empregada – Ah o que o senhor quer é um chapéu de palha …
Valentim – Não, não, um chapéu de palha não. Arde com muita facilidade.
Empregada – É pena mas de amianto ainda se não fabricam. Temos é chapéus de feltro e bons.
Valentim – Com os chapéus de feltro o problema é que não se ouvem cair.
Empregada – Arranje um capacete de aço. Assim já o ouve a cair.
Valentim – Eu sou civil, não posso usar capacete de aço.
Empregada – Mas tem que se decidir e saber que chapéu é que quer.
Valentim – Quero um chapéu novo.
Empregada – Claro, também nós só vendemos chapéus novos.
Valentim – Está bem. O que eu quero é um novo.
Empregada – Mas que chapéu é que quer?
Valentim – Um chapéu de homem. 
Empregada – Não vendemos chapéus de senhora.
Valentim – Mas eu não quero um chapéu de senhora.
Empregada – O senhor é difícil. Vou lhe buscar alguns …
Valentim - Alguns? Mas eu só quero um, só tenho uma cabeça.
Empregada – Trago alguns para o senhor poder escolher.
Valentim – Não quero escolher, quero é um chapéu que me sirva.
Empregada – Claro, o chapéu há de servir-lhe. Diga-me a medida da cabeça que eu vou buscar um que lhe sirva.
Valentim – A medida da cabeça. Mais pequena do que julga. É 55 eu queria um chapéu 60.
Empregada – Fica-lhe grande.
Valentim – Mas fica seguro. E se for mais pequeno não se segura.
Empregada – Isso não tem pés nem cabeça. Quando se tem 55, compra-se 55. Sempre assim foi.
Valentim – Sempre. E isso é que é triste. Os lojistas não sabem mudar de hábitos. Não querem acompanhar os tempos modernos.
Empregada – Mas o que é que os tempos modernos têm a ver com a medida da cabeça?
Valentim – Há de desculpar, mas as cabeças dos homens mudam muito. Sempre a variar …
Empregada – Por dentro. Por fora não. E depois isso levava-nos a uma discussão desmedida.
Valentim – Pois, a medida. Não era isso que queria saber?
Empregada – Mas não é a dos tempos, é a da cabeça.
Valentim – O que eu queria explicar é que nos bons tempos, como se costuma dizer, a cabeça das pessoas não eram o que são hoje.
Empregada – Que estupidez! Desde que o mundo é mundo cada qual tem a sua cabeça. Mas não me interessa como a sua é, o que interessa é a sua medida. Leve este 55, que custa 50 euros e é um belo chapéu; moderno e de boa qualidade. E sei o que estou a dizer.
Valentim – E vou pelo que me diz, porque estou a lidar como uma especialista. Então o chapéu é moderno?
Empregada – Sim. Mas o que é que isso quer dizer, moderno? Há para aí cavalheiros que, quer chova quer faça sol, andam sem chapéu. Uns originais … E dizem que isso é que é moderno.
Valentim – Ah, o que é moderno é andar sem chapéu? Já que é assim é, não compro. Adeus minha menina.  

segunda-feira, junho 22, 2015

CULTURando por aí.. Férias de Verão 2015 | programa de atividades


PROGRAMA DE ATIVIDADES

29 Jun | Biblioteca Municipal
Oficina de leitura | «A cor do céu» (João Paulo Seara Cardoso)
Oficina de escrita criativa
Biblio-paper & Jogos de tabuleiro

30 Jun | Biblioteca Municipal
Baú de Histórias
Jornal de parede
Histórias com origami & Oficina de construção criativa | Origamis de letras

01 Jul | Casa da Criatividade 
Visita guiada | Vamos descobrir os cantos à Casa?
Oficinas de expressão plástica | Marcadores de livros & Pintores famosos

02 Jul | Casa da Criatividade 
Oficina de culinária | Vamos fazer gelados!!!!!
Oficina de escrita e construção criativa | Chegaram as férias à Selva da imaginação
Filmes, gelado & companhia

03 Jul | Museu da Chapelaria
Oficinas de artes criativas | Um mundo de balão & Pegadas da natureza
Oficina de expressão plástica | Quintas ecológicas

06 Jul | Biblioteca Municipal
Rodinhas de leitura 
Móbile de praia 
Oficina de leitura partilhada | «Histórias da Ajudaris»

07 Jul | Museu da Chapelaria
Oficinas de artes criativas | Máscaras da natureza & Floresta de chapéus 
Oficina de expressão criativa | «Proteger para um mundo melhor» (construção de marionetas)

08 Jul | Museu da Chapelaria 
Oficinas de artes criativas | A criação da Natureza & De sensação em sensação 
Jogos de dinâmica de grupo

09 Jul | Museu da Chapelaria 
Oficina de construção criativa | Salta pocinhas 
Oficina de expressão dramática | «Proteger para um mundo melhor»

10 Jul | Biblioteca Municipal
Oficina de Leitura | «Frederico» (Leo Lionni)
Oficina de Artes Plásticas | Papagaios de papel
Flanelógrafo | «A Carochinha e o João Ratão»
Hora de Cinema

10 para 11 de Jul | ACAMPAMENTO NO MUSEU

domingo, junho 21, 2015

INAUGURAÇÃO EXPOSIÇÃO | DO GLAMOUR À MINISSAIA

Ontem à tarde inaugurou-se, no Museu da Chapelaria, uma nova exposição temporária intitulada "Do Glamour à Minissaia. A moda de 50 e 60".

Apresentando alguns dos mais extraordinários exemplares de chapéus da coleção em depósito do Museu Nacional do Traje, e ao longo de duas salas de exposições, os visitantes poderão fazer uma viagem única pelo glamour dos anos 50 e irreverência dos anos 60.

Ao longo desta inauguração, o Centro de Cultura e Desporto de S. João da Madeira presenteou-nos com duas belíssimas performances do seu grupo de danças e, no final, foi ainda tempo de se cantar os Parabéns ao Museu da Chapelaria pelo seu 10º aniversário.

Aqui ficam alguns momentos deste dia.

 
   
 
                    


  
  
  
  
  

ACONTECEU NO MUSEU | XI ENCONTRO DE CHAPELEIRO

Ontem o Museu da Chapelaria esteve em festa celebrando com todos os seus visitantes, não só o seu 10 º aniversário, mas reunindo também os antigos e actuais chapeleiros da cidade para o já tão tradicional Encontro de Chapeleiros.   

A 11ª edição deste Encontro de Chapeleiros contou, neste ano, com a presença de cerca de 120 operários, familiares e amigos que, por mais um ano regressaram a este espaço tão seu para partilhar histórias de vida, memórias, alegrias e, também por vezes, algumas tristezas.

Por estes 10 anos de convivio e por mais este dia mágico o Museu da Chapelaria agradece a vossa presença. 

E aqui ficam alguns dos seus melhores momentos...